Membros do Ministério da Defesa estiveram na Rússia, na última semana, para o Fórum Internacional Técnico-Militar Army 2020, que apresentou, ao longo de sete dias, 730 tipos de armamentos e equipamentos militares russos em estandes de 28 mil empresas do ramo.

Este ano, o Brasil não foi apenas como comprador, mas aproveitou a oportunidade para apresentar alguns das principais inovações desenvolvidos por empresas nacionais para o enfrentamento do novo coronavírus, entre elas, o ventilador pulmonar inteligente, idealizado pela empresa mineira Tacom, por meio da Health Tech Inspirar.

Para o Diretor do Departamento de Promoção Comercial da Secretaria de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa, General de Divisão Luis Antonio Duizit Brito, a Tacom, sem dúvidas, está entre as empresas que se destacaram durante a pandemia.

“Eles inovaram com um equipamento que auxilia no monitoramento dos pacientes, otimizando a gestão dos especialistas em saúde. O ventilador também isola o ar expirado, o que reduz o risco de contaminação pelo vírus. Este equipamento já foi certificado pelo órgão regulador brasileiro, que é a Anvisa”.

O diretor comercial da Tacom/Inspirar, Marco Antônio Tonussi, disse que ser apontado no exterior como uma solução tecnológica de destaque no Brasil é a maior comprovação do sucesso de um projeto desenvolvido com muito cuidado, empenho e dedicação.

“Entregamos ao mercado um equipamento de custo acessível e tecnologia de ponta e nos sentimos honrados por este reconhecimento. Foram dias ininterruptos de trabalho e o nosso equipamento está pronto para ser comercializado e salvar vidas”, disse.

Projeto Inspirar – 100% produzidos em território mineiro, os ventiladores pulmonares da empresa Inspirar representam a força da indústria regional. Os sócios da empresa e irmãos, Cláudia, Marco Antônio e Ronney Tonussi, incomodados com os impactos que o novo coronavírus deixaria para o sistema público de saúde, rapidamente decidiram usar a expertise tecnológica da Tacom -especializada em tecnologias para o setor de transportes- para evitar óbitos em função da falta do equipamento, como aconteceu em outros países.

E o resultado superou todas as expectativas: em pouco mais de 20 dias estava criado, com a ajuda de médicos intensivistas, engenheiros e programadores, o protótipo do ventilador pulmonar inteligente que, agora, depois de homologado pela Anvisa, está pronto para dar um suporte de qualidade a pacientes que necessitam da ventilação mecânica.

“Estamos certos de que o ventilador representará um avanço no suporte médico-hospitalar de muitas cidades brasileiras, especialmente as menores, que, pela primeira vez, terão a oportunidade de oferecer melhores condições no tratamento de doenças e insuficiências respiratórias. As próprias Unidades de Pronto Atendimento (UPA) agora terão plena capacidade de dar suporte a pacientes que dependem da ventilação mecânica”, completou Marco Antônio.

Artigos Relacionados